6 Passos para realizar uma investigação de acidente de trabalho

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Acidente

Existem implicações diversas quanto às consequências que este evento pode trazer à companhia, que vão desde perda de prestígio desta no mercado onde está inserida, até perdas financeiras decorrentes de um possível aumento do FAP e dos custos relacionados ao tratamento do funcionário acidentado, isto sem falar do dano humano, que não tem preço.

Para evitar com que haja recorrência de um acidente de trabalho, é necessário com que seja realizado uma investigação extremamente efetiva, que deve ter como foco a identificação da causa raiz do evento.

Funcionários novatos de um SESMT, ou aqueles com pouca experiência, ou mesmo que nunca participaram de uma investigação de acidente de trabalho anteriormente, podem ter um pouco de dificuldade para entender o que fazer quando houver um acidente de trabalho em sua empresa.

Pensando nisto, o DescomplicaSMS preparou um passo a passo com as seis ações que devem ser adotadas para quê uma investigação de acidente de trabalho seja relevante.

1. Conduzir a vítima ate a enfermaria.

A primeira coisa que deve ser feita quando em um acidente de trabalho é dar atenção à vítima, uma vez que esta pode se encontrar em estado grave.

Todos os acidentes de trabalho em primeiro momento devem ser considerados acidentes com grande potencial pois ainda não se sabe o que realmente aconteceu.

Indiferente da responsabilidade, a vítima deve receber os primeiros socorros na enfermaria da empresa, e caso não a empresa não tenha este local, deve-se ser conduzida ao hospital mais próximo. A saúde da vítima é sempre a prioridade.

2. Colher depoimentos das testemunhas

Um acidente de trabalho deixa rastros, e na maior parte das vezes ,sempre há pessoas que testemunharam o fato ocorrido.

Então, logo após encaminhar a vítima aos serviços relacionados à saúde ocupacional, você deve retornar o local onde houve evento, preservar quaisquer evidências deste e começar a entrevistar os envolvidos diretamente e/ou indiretamente.

Sugiro que no caso de haver mais de uma testemunha, as mesmas sejam separadas e distanciadas quase que de imediato para evitar com que possam combinar alguma história fictícia de forma a minimizar alguma responsabilidade dos mesmos e da vítima no ocorrido.

Outra dica é realizar a entrevista com cada testemunha de maneira individual, sem criar um clima hostil: essa testemunha pode ter acabado de ver um amigo sofrer uma lesão séria, neste caso, não é um ato humano falar com essa pessoa de forma agressiva.

Peças às testemunhas para escrever o seus depoimentos em uma folha A4, e assinar esse documento. Nunca se sabe quando alguém mal-intencionado pode querer dizer algo diferente no futuro.

3. Entrevistar a vítima

Você já encaminhou a vítima para os cuidados médicos, preservou o local do acidente de trabalho, entrevistou as testemunhas.

O próximo passo é entrevistar a própria vítima, considerando que essa já tenha tido alta médica.

  • Pergunte à vitima:
  • O que aconteceu,
  • Como ela estava se sentindo naquele dia,
  • Se havia dormido bem na noite anterior,
  • Se estava se sentindo bem para realizar atividade,
  • Confronte-a, perguntando o tema do DDS do dia.

Busque identificar se a vítima já se envolveu em outros eventos na mesma empresa no passado e se existe alguma semelhança do acidente atual com os anteriores.

Assim como com as testemunhas, peça com que ela descreva em uma folha A4 a sua versão do corrido, assinando a própria declaração.

Normalmente na fase de entrevista com acidentado, você vai descobrir as causas básicas e já vai ter alguma ideia da causa raiz do evento.

Obs: nem sempre a causa raiz é aquela que entendemos como sendo óbvio.

4. Buscar incongruências nos depoimentos

Após entrevistar todos os envolvidos você deve analisar as declarações e anotações que você fez e tentar entender se existem congruências, e onde estas estão.

A depender dos profissionais envolvidos, é possível com quê os mesmos, devido a medo de demitição ou devido aos seus caráteres, podem dar informações inverídicas, com intuito de suavizar um erro que a equipe de trabalho como um todo, e mais principalmente a vítima, possam ter cometido.

Uma dica: nunca faça acareação, é importante lembrar que aqueles profissionais tem um convívio diário e podem ser amigos ou inimigos, e e uma acareação pode elevar os ânimos dos envolvidos em outras oportunidades.

5. Identifique as causas básicas e a causa raiz do acidente do trabalho

Após realizar todas as investigações, coletar todos os depoimentos e buscar as incongruências nestes depoimentos, é hora de preencher o seu documento de investigação.

Para identificar as causas básicas e a causa raiz de um acidente de trabalho, existem algumas ferramentas, como espinha de peixe, árvore de causas e 5 porquês.

Não importa qual será escolhido pois todas são eficazes.

Para facilitar e conceituar, causas básicas podem haver várias: são aquelas que aconteceram de uma maneira e onde caso uma delas não tivesse ocorrido naquele momento, o acidente de trabalho seria evitado.

causa raiz é a doença, ou seja, é o que causa o evento como um todo. Tratar as causas básicas é como medicar um enfermo com vistas a curar os efeitos de uma gripe, enquanto tratar a causa raiz é o mesmo que dar um casaco para uma criança em um dia frio para evitar com que a mesma se refrie.

6. Tratar a causa raiz

Após realizar todo o processo citado acima todos os cinco passos, é possível que você já tenha identificado as causas básicas e a causa raiz. Neste caso a mesma deve ser tratada adequadamente de maneira a não haver recorrência.

Caso a causa raiz seja relacionado um processo da companhia, esta deve ser tratada quase que em caráter imediato, uma vez que há risco de o evento acontecer com outra pessoa.

Agora, caso você tenha identificado que a causa raiz foi relacionado ao comportamento do funcionário, como a não aplicação de um procedimento cujo mesmo havia sido treinado ou mesmo negligência com algum processo da companhia, a vítima deve ser penalizada, de forma a ser um exemplo para todos aqueles funcionários da companhia que optam por pegar atalhos.

Obs: Quando digo penalizar, me refiro a advertências verbais ou escritas, e a depender da gravidade do desvio cometido, até mesmo demissão por justa causa (eu sei, uma série que condições que devem ser atendidas para que uma demissão de justa causa seja legítimo, mas o objetivo aqui é exemplificar).

Quando ocorre um acidente de trabalho numa empresa, é um momento muito desagradável, mesmo porque, ninguém quer que um funcionário se machuque.

Mas ao mesmo tempo, é possível tirar lições do evento e aplicar as medidas necessárias para evitar com que outras pessoas se machuquem da mesma forma.

De uma forma ou de outra, um acidente de trabalho força uma empresa acrescer.

Se você gostou desse texto, se inscreva na nossa newsletter e receba em primeira mão todas as publicações do DescomplicaSMS no seu e-mail!

Obrigado!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.