Quais medidas de controle devem ser adotadas para o calor?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

calor

O Descomplica SMS vem desenvolvendo já há algumas semanas materiais sobre o agente físico Calor. O objetivo desta série é compartilhar informações aos profissionais SST acerca dos vários agentes ambientais que podem eventualmente impactar o trabalhador de maneira negativa caso a exposição do mesmo seja acima do limite de tolerância definido pelas normas vigentes.

Se quiser saber mais sobre o assunto, ou mesmo relembrar, confira abaixo o link dos textos já produzidos pelo DescomplicaSMS referentes ao calor:

Quais são os efeitos do Calor no organismo Humano?

Quais são os 5 fatores que influenciam na troca térmica do corpo humano?

Quando o Calor é caracterizado como insalubre?

Para finalizar a série de avaliação e controle de calor: medidas de controle que devem ser adotadas! 

A NR 09 – Programa de prevenção de riscos ambientais no seu subitem 9.3.5.1 diz que deverão ser adotadas medidas de controle suficientes para eliminar, minimizar ou mesmo controlar os riscos ambientais existentes. E após a leitura dos subitens 9.3.5.2 e 9.3.5.4 conclui-se que existem três tipos de medidas de controle:

  • Coletiva;
  • De caráter administrativo ou de organização do trabalho; e
  • Uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual.

Medidas Coletivas

As medidas coletivas são aquelas que reduzem a taxa de metabolismo do trabalhador, que movimentem o ar no ambiente e que utilizem barreiras que protejam das fontes de calor radiante, como o sol, forno de siderurgia ou solda, por exemplo.

 a) Redução da taxa de metabolismo

Reduzir a taxa de metabolismo gerada pelo trabalhador, adotando formas de minimizar o esforço físico realizado por ele. A adoção de equipamentos de auxílio como pontes rolantes para movimentar cargas, esteiras, ou até mesmo a completa automatização do processo, pode evitar o aumento da temperatura corporal do executante.

 b) Movimentação do ar no ambiente

Adoção de aparelhos de ar condicionado para resfriar o ar do ambiente, além de climatizadores e ventiladores para reduzir a temperatura do local. Mesmo abertura de janelas, fazendo uso da ventilação natural. Estes métodos funcionam, pois reduzem as trocas de calor entre o corpo humano e o ambiente. Falamos sobre aqui.

c) Utilização de barreiras que protejam das fontes de calor radiante

A utilização de barreiras para refletir (alumínio polido, aço inoxidável) ou absorver (ferro ou aço oxidável) os raios infravermelhos. Colocação de películas em portas e/ou janelas de vidro, como nos carros, minimizam a incidência de calor radiante.

Medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho

As medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho são aquelas aplicadas na forma como a atividade é realizada, ou seja, na gestão dos colaboradores ou dos métodos de trabalho. É importante observar se o funcionário está aclimatado, se há uma limitação do seu tempo de exposição ao agente, se este tem se hidratado com a frequência correta e mesmo se o colaborador recebeu treinamento prévio antes de efetuar suas funções.

 a) Aclimatização

A aclimatização basicamente é uma adaptação fisiológica do organismo a um ambiente quente. Isto é fundamental na prevenção dos riscos decorrentes da exposição ao calor excessivo. Falamos aqui sobre isto .

Quando o funcionário se expõe a alto calor pela primeira vez, ocorre um aumento significativo da temperatura corporal, dos batimentos cardíacos e há baixa sudorese.

Após o período de 3 a 5 dias, o corpo começa a aclimatar, e há uma redução no desconforto do trabalhador, assim como uma queda da temperatura corporal e do ritmo cardíaco, e a sudorese aumenta. A aclimatização será completa, em média, com duas semanas. A perda de sal devido à sudorese também é menor em trabalhadores aclimatados. O processo de aclimatização completo leva em torno de 2 a 3 semanas.

Caso o trabalhador se ausente do seu local de atividade, por aproximadamente 3 semanas, a aclimatização será totalmente perdida, e o processo deverá ser reiniciado de forma gradual.

Alguns pontos importantes a serem observados é que fatores como: sexo (feminino), obesidade, desnutrição e outros fatores de risco dificultam o processo de aclimatização.

 b) Limitação do tempo de exposição

Esta medida consiste em adotar períodos de descanso intercalados com períodos de trabalho. Conforme discutimos no texto anterior - Quando a exposição ao calor é insalubre - , uma das maneiras de descaracterizar o calor como insalubre é adotar os períodos de descanso e trabalho conforme descrito no Quadro Nº1.

 c) Hidratação

Embora não muito efetiva se aplicada de forma individual, a correta hidratação é indispensável como medida paliativa. Um profissional exposto a calor excessivo deve ingerir uma maior quantidade de água e sal, de forma a compensar a perda de água e cloreto de sódio devido à sudorese intensa.

É importante salientar que a ingestão de água e sal pelos funcionários deve ser feita com orientação médica.

O treinamento dos trabalhadores tem como objetivo primário evitar que eles se esforcem mais que o necessário e que permaneçam próximo à fonte de calor por um período demasiadamente grande.

O funcionário deve ser treinado e orientado quanto à correta utilização dos equipamentos de segurança e mesmo sobre os efeitos causados pela exposição contínua ao calor intenso.

Uso de EPI – Equipamento de proteção Individual

 calor

O uso de Equipamento de proteção individual, tal como determinado pelas NR 6 e 9, mencionam que a utilização do EPI deve ser feita em última instância, ou seja, somente quando as medidas coletivas forem tecnicamente inviáveis para a eliminação do risco.

Em se tratando do calor, a utilização de equipamentos de proteção ambiental não afasta o risco de sobrecarga térmica, no entanto, é necessário a sua utilização principalmente quando as atividades são realizadas em locais com possibilidade de haver respingos e mesmo fagulhas ou outros “resíduos” provenientes de fontes de calor extremo. Uma das principais finalidades do EPI neste caso é proteger o trabalhador contra o risco de queimaduras.

Óculos de segurança com lentes especiais são necessários sempre que houver fontes de calor radiante. O objetivo é proteger o colaborador contra o calor radiante. As lentes especiais devem reter mais que 90% da radiação infravermelho para ser considerada eficiente.

O restante do corpo deve ser protegido através do uso de equipamentos, tais quais:

  • Luvas,
  • Mangotes,
  • Aventais,
  • Capuzes.

 Estes equipamentos devem ser fabricados com materiais adequados para que não haja a absorção do calor pelo funcionário. O DescomplicaSMS recomenda que estes equipamentos sejam feitos com materiais capazes de refletir a maior parte do calor radiante, como o tecido aluminizado.

Estes equipamentos mencionados, embora eficazes, dificultam a troca de ar através destas vestimentas, logo, existe uma diminuição de perda do resfriamento da pele pela evaporação. Por isso estes equipamentos devem ser o mais folgado possível.

É importante salientar que as informações aqui contidas são frutos de extensos levantamentos feitos em diferentes bibliografias, assim como a experiência dos autores, entretanto, para que haja um completo entendimento do assunto, é interessante que você também faça sua pesquisa e consulte os órgãos oficiais, como ministério do trabalho e previdência social, e o Fundacentro, além de órgãos internacionais, como OSHA – Occupacional Safety and Health Administration.

Se você gostou deste texto, se acha que aprendeu algo novo, se inscreva na nossa newsletter para não perder nenhum material. Na semana que vem iremos iniciar uma discussão sobre outro agente ambiental: a poeira e outros particulados.

 

Até a próxima!